quinta-feira, junho 07, 2012

Kurdistão iraquiano: Milícias ameaçam invadir a Síria para proteger curdos de massacre.

O Oriente médio é como uma colcha de retalhos. Um grande número de países divididos em grandes grupos familiares. Apesar disto, ainda existem grupos que são subdivididos política e religiosamente. Com os massacres frequentes, povo curdo, que antes vivia em Aleppo e Homs, foge aos milhares para o antigo território curdo localizado no Iraque. No Iraque um exército de para-militares altamente treinados e equipados com sofisticado equipamento chamado "PYD", alerta ao regime sírio quanto ao genocídio de curdos (mais uma vez).


Cortejo fúnebre nas terras do povo curdo de uma manifestante em 12-05-2012.
 "Snapshot"
Por Saulo Valley para JIRABH (Jornalismo Internacional da Revolução Árabe do BlogHumans)
Rio de Janeiro, 07 de Junho de 2012 - 09h20 GMT-3

Quem conhece a verdadeira história do Kurdistão? Uma população indígena que supostamente seria mista, que ocupava grande parte do Oriente Médio, que teve suas terras ocupadas pelos iranianos, turcos, sírios, iraquianos e armenos, tendo sofrido genocídio inúmeras vezes nos mais de 5000 anos de história de limpeza étnica sofrida, tal qual os índios brasileiros. No final, restaram umas pequenas reservas na Síria, na Turquia e no Iraque, além de uma população de mais de 50 milhões de pessoas sem país.

O Kurdistão ocupado uma área de 750.000 Km. A população curda chegava estimadamente a 130 milhões antes da primeira guerra mundial. De acordo com historiadores curdos, a grande população se dividiu em guetos no Líbano, Kuwait, Palestina, Jordânia, Paquistão (12 aldeias na cidade de Quetta), ainda no Afeganistão em (Herat e Cabul).

Alistamento militar

Durante o ano de 2011, a população curda foi poupada dos massacres impetrados pelo regime sírio. Mas quando a inteligência síria descobriu voluntários curdos ingressando nas fileiras das tropas rebeldes do FSA, eles se tornaram alvo comuns do regime. Esta atitude do povo curdo veio em consequência de um sonho: 
A independência de Amouda.

Video: Documentário sobre o grupo curdo (denominado terrorista) PKK.


Mas a ampliação dos massacres na síria, acabou envolvendo outros povos de origem dos países vizinhos, como sauditas, libaneses, curdos, turcos, palestinos, iraquianos e líbios, entre outros.  Acabou atraindo diferentes grupos religiosos e milícias que encontraram na crise síria uma oportunidade de elevar-se ao grau máximo de poder na região: O Governo da nova República Democrática da Síria. A começar pela "Irmandade Muçulmana", o partido armado curdo mais agressivo "PKK" (Turquia), o partido armado curdo no Iraque "PYD", dentre outros grupos que entraram na guerra contra o regime sírio visando uma vaga no poder. Esta perigosa situação já é uma realidade que promete prolongar o sofrimento de civis em larga escala, se nada for feito. Esta nova fase da crise política na Síria subdivide a revolução, suas lideranças e suas tropas e pequenos grupos políticos, religiosos e familiares: Uma perigosa mistura. Com a queda do regime, estes milhares de fragmentos tendem a lutar entre eles pela ocupação do Palácio Presidencial em Damasco.

Povo curdo. "O povo das montanhas".
powered by Fotopedia

A história continua

Os curdos são supostamente de origem ariana mas há quem negue. Eles migraram ou se refugiaram também na Alemanha, na Suécia, Grã-Bretanha, Canadá, Noruega dentre outros países de todo o mundo.

O Curdistão é denominadamente a "habitação indígena para o coração do Oriente Médio". São imigrantes do que vieram do deserto do Iêmen, como os árabes. Já os turcos seriam supostamente descendentes de imigrantes da Mongólia. De acordo com os historiadores curdos, sua população foi sendo absorvida "ao longo da história pelos impérios, reinos, emirados, países, repúblicas, províncias, além do império da Grã-Bretanha.

Em 1924 Mjmoud Alborzange era o rei primeiro curdo. A região sul do curdistão não possuía oficialmente  uma organização política.

Cerca de 800 anos da era cristã, violentos embates aconteceram entre o Kurdistão e a Síria. A palavra mais exata seria: Bárbaros conflitos. Histórias de extermínio em massa de civis curdos no Kurdistão por tropas sírias e os mesmos crimes repetidos na Síria em nome das revanches dos curdos. Crimes semelhantes ao massacre de Houla.

Curdistão ocidental ocupada - área pontilhada do mapa.
Hoje a população curda na Síria, vive dedicada à vida rural e à produção dos tapetes "persas" mais caros do planeta. Esta pequena população vive numa reserva conhecida como Amuda ou Amouda (também conhecida por Qamislo na língua curda), localizada no Norte da Síria perto da fronteira  com a Turquia. Esta região é hoje parte do chamado curdistão ocidental ocupado. Lá, os curdos correspondem a pouco mais de 20% da população Síria e ainda povoam as cidades de Aleppo e Homs.

Fontes:

* O BlogHumans, em parceria com dezenas de pesquisadores curdos criou uma página de Facebook que passeia pela história do povo denominadamente curdo, antes mesmo da formação do Kurdistão quanto estado. Na página "Kurd in the History" a história antiga do kurdistão está sendo reconstruída pouco à pouco.

"KRG" é o governo provisório do kurdistão iraquiano. Uma reserva curda no país.

"Curdistão Ocidental Ocupada" página no facebook.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: